quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Clúsia (Clusia fluminensis)

Clusia fluminensis
É um arbusto que floresce na Primavera e no Verão, com flores de pétalas brancas com o centro avermelhado. Suas folhas são grossas e ovaladas.
Muito utilizada como cerca viva e em vasos, sob o sol pleno ou meia-sombra. Lenhosa e muito ramificada, pode chegar a 6 m de altura.
Arbusto típico de clima quente e úmido, é nativo do Sudeste do Brasil e gosta de solo arenoso, acrescido de matéria orgânica e se reproduz por sementes ou estaquia.




sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Vasos Vietnamitas e Palash: Agregando muito mais valor ao seu ambiente!

Chegaram em nossa loja Vasos Vietnamitas e da Fábrica Palash incríveis e gostaríamos de compartilhá-los com nossos clientes e amigos.

Os vietnamitas são feitos de cerâmica e tem um tratamento especial vitrificado, deixando um brilho todo especial em seu acabamento, justificando um preço um pouco além do normal, mesmo porque este vaso é fabricado do outro lado do mundo e tem seus custos, mas vale cada centavo que é cobrado!

Alguns dos modelos que chegaram na Fênix ArtDecor.
Originalmente bonitos e exóticos!

Os vasos em polietileno também estão em alta, pela sua alta resistência e, neste caso, extrema beleza! Na Fênix ArtDecor, com exclusividade, você vai encontrar estes modelos da Palash, que com certeza agregarão um imenso valor em qualquer ambiente.
São vasos com muito estilo, originalidade e de extrema resistência.
São várias cores, modelos e tamanhos.
Esses são enormes e podem encher de bom gosto qualquer ambiente.

Faça-nos uma visita e confira estas novidades, qualquer dúvida ligue: 13 - 3567.1233.



segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Flores comestíveis: Capuchinha.


  • Nome Científico:
     Tropaeolum majus
  • Sinonímia: Cardamindum majus, Tropaeolum elatum, Tropaeolum hortense, Tropaeolum hybridum, Tropaeolum pinnatum, Tropaeolum quinquelobum, Trophaeum majus

  • Família:
     Tropaeolaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: América do Sul
  • Ciclo de Vida: Bienal
  • Nome Popular: Capuchinha, chagas, nastúrcio, agrião-do-méxico, flor-de-sangue, flor-de-chagas, nastúrcio, mastruço, coleária-dos-jardins.
    A capuchina é conhecida em diversas culturas, como uma planta multifuncional. Além de ornamental e medicinal, atualmente está muito na moda sua utilização culinária. Suas folhas são bastante arredondas e sem brilho. As flores podem ser simples ou dobradas de coloração amarela, laranja ou vermelha e são muito saborosas. Seu sabor é picante, em saladas frias, sucos e finalização de pratos. A floração ocorre na primavera e verão.
    Pode ser plantada em vasos e jardineiras, assim como em maciços e canteiros e não raramente presta-se como forração. Se conduzida em suporte adequado, torna-se uma bela trepadeira.
    Deve ser cultivada a pleno sol, em solo fértil enriquecido com composto orgânico, com regas periódicas. Multiplica-se por sementes.

    Indicações:
     Afecções da pele e anexos, problemas digestivos e pulmonares, escorbuto, insônia.
    Propriedades: Bactericida, digestiva, expectorante, sedativa, tônica, rica em vitamina C.
    Partes usadas:  Toda planta com excessão da raiz.

    Fonte: http://www.jardineiro.net

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Forração: Hera-roxa.

  • Nome Científico:Hemigraphis alternata
  • Sinonímia: Hemigraphis colorata, Ruellia alternata, Blechum cordatum
  • Nome Popular: Hera-roxa, Rubrastilis
  • Família: Acanthaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Índia, Java, Malásia
  • Ciclo de Vida: Perene
A hera-roxa é uma planta herbácea, de colorido atrativo e uso muito popular como forração em jardins. Sua ramagem é ramificada, densa, reptante e prostrata, e sua altura não ultrapassa os 30 cm. As folhas são ovais, com nervuras bem marcadas, e bordos serrilhados. Na página superior, elas apresentam degradees de cor verde-acinzentada a roxo ou vermelho, com reflexos metálicos. Na página inferior, as folhas são de cor vermelho vinho. Floresce na primavera e verão, despontando flores brancas e pequenas, em inflorescências do tipo espiga. As flores tem importância ornamental secundária. Ocorre ainda uma variedade de folhas enrugadas, com as margens enroladas, e tonalidade mais arroxeada, conhecida como "Exotica".
No jardim a hera-roxa destaca-se pelo colorido contrastante, volume e textura de suas folhas. Durante a floração, o pontilhado de flores brancas, sobre o fundo arroxeado também é bastante ornamental. É ideal como forração, bordadura e na formação de maciços. Também pode ser utilizada em vasos, jardineiras elevadas e cestas suspensas, onde o efeito cascata de sua folhagem é evidenciado. Curiosidade: De acordo com a Universidade de Georgia, em Atenas, ela é umas das plantas mais eficientes em remover poluentes orgânicos de ambientes internos, como casas e escritórios.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Planta muito rústica e de baixa manutenção. Não necessita podas, mas estas podem ser realizadas para renovar a folhagem. Não tolera pisoteio ou frio intenso, perdendo suas folhas em invernos rigorosos. Aprecia o clima tropical e subtropical. Multiplica-se por divisão da ramagem enraizada e por estaquia.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Bonsai: O que é?



A tradução da palavra para o português literal é "plantada em vaso", e não árvore em miniatura ou anã como foi por muito tempo difundido no Brasil.
Um bonsai não é uma muda ou uma manipulação afim de deixar uma pequena árvore estressada. É a representação da natureza, dando à uma árvore madura e capaz de produzir flores e frutos a chance de expressar todas as características que ela seria capaz de apresentar no ambiente natural dela.
O homem não tenta criar a natureza e ser Deus, mas dá condições para que a natureza se mostre como ela é.
A arte do bonsai demanda tempo, paciência e, é claro, talento. Durante muito tempo, formatos esdrúxulos que tinham troncos exageradamente retorcidos foram os exemplares mais caros, mas hoje se admira muito mais aqueles que são representação das espécies em seus ambientes naturais.

Fonte: 
Cultivando Bonsai no Brasil. De Fábio Antakly Noronha, da editora Escrituras.
A Arte do Bonsai. De Peter D. Adams, da editora Martins Fontes.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Lagos: Papiro-brasileiro

Planta perfeita para colocar em lagos e solo muito úmidos.
Fora que é de uma beleza ímpar!

  • Nome Científico: Cyperus giganteus
  • Sinonímia: Cyperus comosus, Cyperus elegans, Cyperus giganteus var comosus
  • Nome Popular: Papiro-brasileiro, papiro
  • Família: Cyperaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Brasil
  • Ciclo de Vida: Perene
Engana-se quem acredita que este é o papiro utilizado pelos egípcios. Na verdade esta planta é brasileira, mas é muito parecida com o Cyperus papyrus, o papiro verdadeiro. O papiro-brasileiro é uma excelente planta palustre, isto é, adapta-se e cria um efeito excelente na beira de laguinhos, fontes e espelhos de água. Ela apresenta hastes longas com uma cabeleira de folhas finas nas pontas. As flores são pequenas, amarelas, discretas e não apresentam importância ornamental.
Devem ser cultivadas a pleno sol, sempre na beira da água, em solo composto de terra de jardim e terra vegetal. Tolerante ao frio. Multiplica-se através da divisão das touceiras, preservando a estrutura completa da planta, com rizoma, raízes e hastes.


terça-feira, 8 de novembro de 2011

Trepadeira Jade: Dê este presente ao seu Pergolado!

Com certeza essa trepadeira vai dar um colorido todo exótico e alegre ao seu jardim. Maravilhosa!!!

  • Nome Científico: Strongylodon macrobotrys
  • Nome Popular: Trepadeira-jade, trepadeira-filipina
  • Família: Fabaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Filipinas
  • Ciclo de Vida: Perene
A trepadeira-jade é uma trepadeira vigorosa, perene, de ramos lenhosos, que pode alcançar muitos metros de altura, dependendo do suporte em que se encontra. Suas folhas abundantes são trifoliadas, com folíolos elípticos, alongados e verdes. Floresce na primavera e verão, com a formação de longas inflorescências axilares. As flores apresentam o formato de garras (unhas) invertidas, com um brilho perolado espetacular e uma coloração entre o verde e o azul, sendo comparada com as pedras preciosas jade, água-marinha e esmeralda.
A flor de jade em detalhe.
A trepadeira-jade é uma planta excelente para cobrir estruturas fortes como pérgolas e caramanchões, devido ao crescimento vigoroso e à natureza das inflorescências que se destacam pendentes. Em outros tipos de suportes, como cercas e treliças não é possível apreciar por debaixo da planta, os cachos de flores. Fornece sombra agradável o ano todo e atrai beija-flores. As podas podem ser realizadas para contenção do crescimento e renovação da folhagem. Uma curiosidade: Nas Filipinas o polinizador natural da trepadeira-jade são os morcegos.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra em solo fértil e enriquecido com matéria orgânica, irrigado a intervalos regulares. Adubações anuais na primavera ou verão estimulam florações mais abundantes. Aprecia a umidade e o calor. Não é tolerante ao frio intenso, devendo ser cultivada em regiões de clima mais quente. Multiplica-se por sementes, estaquia, alporquia e mergulhia.


sábado, 5 de novembro de 2011

Kalanchoe: Flor da Fortuna! Muito resistente.

Em nossa loja você encontra essa linda planta em várias tonalidades de cores que, com o mínimo de criatividade, pode encher sua casa de beleza, estilo e harmonia! 

  • Nome Científico: Kalanchoe blossfeldiana
  • Sinonímia: Kalanchoe globulifera var coccinea
  • Nome Popular: Calanchoê, Calancoê, Flor-da-fortuna, Calandiva, Kalandiva, Kalanchoê, Flor-do-papai
  • Família: Crassulaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Madagascar
  • Ciclo de Vida: Perene
Planta suculenta, de folhas com margens rendadas. O calanchoê tem um significado especial, considerada a flor-da-fortuna e da felicidade é muito presenteada entre amigos e parentes. Suas flores podem ser simples ou dobradas de muitas cores diferentes, com grande durabilidade. As variedades de flores dobradas são chamadas de Calandivas ou Kalandivas.
Plantadas em vasos têm sua beleza exaltada, porém podem ser plantadas no jardim formando maciços e bordaduras, acrescentando um colorido original. Apesar de perene, deve ser tratada como anual por perder a beleza, salvo em algumas variedades.
Devem ser cultivadas a pleno sol, em solo composto de terra de jardim e terra vegetal, bem drenável, com regas regulares. Tolerante ao frio.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Palmeiras Nativas: Gerivá. (Syagrus romanzoffiana)


Classificação científica:

Reino: Plantae
Família: Palmae
Género: Syagrus

Nome binomial
Syagrus romanzoffiana

Jerivá e coquinho são dois nomes vulgares do Syagrus romanzoffiana, uma palmeira nativa da Mata Atlântica no Brasil, mas que pode ser encontrada em diferentes tipos de florestas, como restinga, floresta ombrófila densa, floresta estacional semidecidual, mata ciliar, mata paludosa, floresta estacional decidual, cerrado.

Também é chamado de baba-de-boi, coco catarro, coqueiro, coqueiro-gerivá, gerivá, coquinho, coquinho-de-cachorro ou jeribá.


É da família Palmae, a fruta, amarela, que é ovalada, não passa de 3 centímetros na sua parte maior, tanto que são cerca de 100 unidades por quilo, chegando à produzir cerca de 140 kg. A parte externa, carnosa, é composta de uma mucilagem adocicada muito apreciada por alguns animais, como papagaios e maritacas e esquilos-caxinguelê, ou mesmo por cachorros e pelos humanos, principalmente a criançada, sendo uma lembrança comum aos interioranos a quebra destes coquinhos batendo com pedras, para alcançar as suas amêndoas. Floresce e frutifica em diferentes meses do ano, dependendo da região em que se encontra. Internamente possui uma pequena castanha bem parecida com a do coco-da-baía. A semente germina em cerca de 100 a 150 dias, tendo um potencial de germinação de 50 a 79%. A folha tem a forma perenifólia e é usada como ração para o gado. A árvore fornece também o palmito para alimentação humana. 

Dispersão: zoocórica.




sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Estilos: Jardim Tropical.



O paisagismo tropical, organizado e devidamente delimitado, com o uso adequado das espécies, é uma cultura muito recente, criada no início do século XX. Um dos maiores mestres do mundo, na arte dos jardins tropicais foi o paisagista brasileiro Burle Marx que, com seu trabalho, influenciou praticamente todas as regiões tropicais do planeta.
A exuberância da vegetação tropical e o clima quente dessas regiões está enraizado no imaginário coletivo na forma de uma pequena praia paradisíaca, em uma ilha nos Mares do Sul. E é justamente nestes elementos que está a essência do conceito do jardim tropical.
Plantas, pedras, laguinhos com quedas d'água, um gramado e a agradável sombra de uma frondosa árvore e muitas palmeiras. A diversidade da flora tropical impressiona, combinar as texturas e volumetrias dessas plantas não é uma tarefa fácil, nem simples como alguns imaginam. Organizar, administrar a utilização e explorar as qualidades de cada espécie, requer conhecimento e bastante criatividade.



quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Horta de Temperos; Saiba como cuidar.

Você pode criar sua horta até em vasos sobre prateleiras.
Cultivar uma horta de temperos é fácil e extremamente agradável. Como são plantas de pequeno porte, não exigem muito espaço, podendo ser plantadas em canteiros, vasos e até em floreiras. Basta preparar o solo corretamente para receber várias espécies e escolher um local bem iluminado.

Você encontra mudas de temperos já formados na Fênix ArtDecor, como;
Salsinha, Orégano, Manjericão, Hortelã, Alecrim, Sálvia, Pimenta-Vermelha e outras.

Manjericão Roxo.
Hortelã.
DICAS PARA O CULTIVO DE TEMPEROS:
- Plante em sol pleno.
- Use adubo orgânico, húmus de minhoca, que deve ser aplicado a cada 40 dias. A dose indicada é de 100g por planta.
- De tempos em tempos, afofe a terra do canteiro.
- Quando regar, evite encharcar as ervas.
- Se surgirem pragas ou doenças, descarte as mudas doentes e coloque outras no lugar.



segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Plantas Exóticas: Áloe-do-cabo.

Áloe-do-cabo (Aloe peglerae).
Planta originária da África do Sul, esta suculenta está ameaçada de extinção em seu habitat. De crescimento lento, o áloe-do-cabo é robusto e tem tronco único que sustenta uma roseta de folhas suculentas, recurvadas para o alto, essas folhas alcançam até 35 cm de comprimento.
A cor verde-acizentada da espécie destaca seus espinhos, que recobrem a superfície das folhas, produzindo um belo efeito. Durante o inverno, a planta produz uma inflorescência repleta de flores tubulares róseas que, com o passar dos dias, fica amarelo-limão. A folhagem adquire colorido levemente avermelhado em regiões de clima frio.
O áloe-do-cabo pode ser cultivado em todo o Brasil. Aprecia solo arenoso e acrescido de matéria orgânica. Seu efeito ornamental ganha destaque em vasos, mas a planta também pode ser utilizada em jardins rochosos e formando maciços no jardim, sempre em sol pleno. Sua propagação é feita por sementes.

domingo, 16 de outubro de 2011

Solo: Conheça pela Cor.



COR DO SOLO:
A cor da terra indica a composição do solo. Quanto mais escuro, mais rico em nutrientes.



• Terra Escura (Preta ou Marrom):
É a terra normalmente encontrada na camada superficial do terreno de florestas e matas. Rica em matéria orgânica(folhas e galhos decompostos), é considerada o melhor tipo de terra. Além de ser uma reserva de minerais, a matéria orgânica funciona no solo como uma esponja, retendo em seu interior ar e água.



• Terra Vermelha:
Tem qualidade pouco inferior à de cor escura, mesmo assim é rica, pois contém argila - um mineral de textura terrosa e granulação fina que traz em sua composição alumínio, magnésio, ferro, potássio, lítio, entre outros elementos. O inconveniente da argila é a facilidade de compactação, o que dificulta a livre circulação de ar e água. Esse problema é facilmente resolvido com a adição de adubos ricos em matéria orgânica e de condicionadores de solo.


• Terra Amarela:
Não possui matéria orgânica nem argila, mas sim areia. Apesar de porosa, ela não consegue reter água e nem  sais minerais, sendo muito pobre. Esse tipo de solo precisa passar por uma análise, que indicará a correção e adubação necessárias.




sábado, 15 de outubro de 2011

Guia de Trepadeiras: Hera.

Hera (Hedera canariensis)
Amplamente cultivada como forração, esta trepadeira tem folhagem muito ornamental. Ela também pode cultivada em vasos como pendente ou apoiada em suportes como árvores, cercas e muros. Vai bem tanto a sol pleno quanto a meia-sombra, em solo areno-argiloso com matéria orgânica.



sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Cercas Vivas: Hibisco.


Hibisco (Hibisco rosa-sinensis 'Variegata')
Existem inúmeras variedades de hibiscos, todos ótimos para formar cercas vivas. O hibisco-variegado é um deles que, além da florada, apresenta folhagem com manchas esbranquiçadas. Muito rústico ele se desenvolve praticamente em qualquer tipo de solo, onde cria densas cercas vivas formadas a partir do plantio de 4 ou 5 mudas por metro linear.

DICAS PARA FORMAR CERCAS VIVAS:
Para implantar uma cerca viva compacta, as mudas devem ser plantadas bem próximas, com espaçamentos de 20 e 50 cm entre mudas. Além disso, as podas nas extremidades dos ramos devem ser frequentes - nos superiores, para manter um altura uniforme, e nas laterais, para estimular a brotação.
Uma boa sugestão na escolha das plantas, é optar por espécies de crescimento rápido. Algumas dessas plantas, que cumprem bem esse papel são, a Esponjinha (Calliandra brevipes), o Cedrinho (Cupressus lusitanica), diversas espécies de helicônias, o Hibisco (Hibiscus rosa-sinensis), o Ligustro-arbustivo-variegado (Ligustrum sinense 'Variegatum'), o hibisco-colibri (Malvaviscus arboreus mexicanus), a murta (Murraya paniculata) e a Tumbérgia-arbustiva (Thunbergia erecta).

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Caminhos no Jardim.



Os caminhos no Jardim são muito mais que estruturas para ir e vir. Eles propiciam agradáveis passeios e também permitem que as pessoas interajam com a paisagem do jardim.
Distâncias pequenas não precisam de caminhos muito elaborados. Já caminhos mais extensos, acidentados ou em declive precisam ser bem estruturados e planejados.
Em residências onde moram pessoas idosas, esse cuidado deve ser redobrado e, não raro, se faz necessário o uso de corrimãos.




Plantas para o entorno da piscina: Bromélia-imperial.

Bromélia-imperial (Alcatarea imperialis)
Também é conhecida como imperatriz das montanhas, pois é nativa das escarpas rochosas do Sudeste do Brasil, tipico do clima tropical úmido de altitude. Suas folhas são verde-escuras, largas e longas, pendentes na parte inferior, rígidas e eretas na parte superior.
Gosta de Sol pleno e solo arenoso acrescido da matéria orgânica. Atinge até 1,5 m.




terça-feira, 11 de outubro de 2011

Dia das Crianças, colocando muita alegria e estilo em seu jardim!

No dia das crianças não podíamos deixar de falar em motivos infantis que, no final das contas, podem agradar até os mais "grandinhos"...

Estamos recebendo em nossa loja lindos bonecos em lata, para enfeitar e deixar o seu jardim muito mais bonito e com toda a alegria.


Menino Agricultor com Pá. 85 cm. Finíssimo acabamento.
RESERVE JÁ O SEU! Ligue 13 - 3567.1233
Preço promocional de lançamento em nossa loja.
 R$ 259,00


Menino com Bicicleta. 80 cm. Finíssimo acabamento.
RESERVE JÁ O SEU! Ligue 13 - 3567.1233
Preço promocional de lançamento em nossa loja.
 R$ 259,00


Menina com Bicicleta. 85 cm. Finíssimo acabamento.
RESERVE JÁ O SEU! Ligue 13 - 3567.1233
Preço promocional de lançamento em nossa loja.
 R$ 259,00
Faça seu pedido agora mesmo, e tenha essas lindas peças alegrando seu jardim.


Plantas para o entorno da piscina. Dicas importantes.


Na hora de escolher plantas para o entorno da piscina, dê preferência a espécies que não percam as folhas e cujas raízes não sejam agressivas. Isso porque o excesso de folhas na piscina exige maior manutenção no filtro e talvez possa causar o entupimento da tubulação.

A escolha das plantas deve levar em conta também aspectos psicológicos pois a piscina é um local quente e acolhedor e espécies como ciprestes ou cedrinhos "esfriam" a área.

A distância mínima de plantio varia de acordo com a planta, mas é aconselhável que as de grande porte fiquem a pelo menos 4 m da piscina.




Plantas Exóticas: Árvore Dragão.

Árvore-dragão(Dracaena draco)

Escultural, segundo a mitologia, a árvore-dragão tem poderes mágicos e nasceu da luta entre um dragão e um mamute.
No cultivo deve ser dada atenção ao sistema radicular, que precisa de muita aeração. O ideal é plantá-la em solos arenosos ou com o sistema de drenagem muito eficiente. Também é importante nivelar o terreno, deixando as raízes descobertas, para não asfixiar a planta.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Flor de Outubro: Aproveitando o Mês...

Flor-de-maio e Flor-de-outubro apresentam o mesmo tipo de cultivo.


Embora pertençam a Gêneros diferentes, ambas são Cactáceas.
Suas necessidades são exatamente as mesmas.




Elas são da família dos cactos, portanto gostam de pouca água. Mas tem uma pequena diferença, gostam de meia sombra, se você deixá-las expostas por muito tempo ao sol, elas ficarão esbranquiçadas ou avermelhadas, e suas flores meio desbotadas.
Regue somente quando o substrato estiver seco, uma vez por semana está bom. Ela gosta de terra rica em matéria orgânica, faça adubação com esterco de gado ou aves e farinha de osso. Mas todo cuidado é pouco, se adubar muito elas morrem.

Nos meses de abril, coloque-as em local onde não peguem sol, assim, ela terá flores com cores mais vibrantes, o sol desbota elas antes mesmo de abrir.

A cada 3 anos no máximo é bom replantá-las. E se quiser, com apenas uma folhinha, você terá uma nova muda, é só enterrá-la até que fique em pé, regar como de costume e você terá uma muda.




Um botão de Flor de Outubro.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

14.a Fiaflora ExpoGarden: A Fênix ArtDecor foi conferir!

Aconteceu na última semana, nos dias 22, 23, 24 e 25 de Setembro a décima quarta edição da Fiaflora, um dos principais eventos de Paisagismo, Jardinagem, Lazer e Agricultura. Muita gente achou que as edições anteriores estavam muito melhores do que a deste ano. Concordamos, como estamos passando por uma nova fase profissional, aproveitamos o máximo, colhendo informações a batendo fotos, as quais eu compartilho algumas aqui…



Fachada da Feira, com seu Logotipo Gigante.

O pessoal esperando os portões abrirem.


Paisagismo oriental.


Ambiente ZEN, decoração indiana.


Água tranquilizadora.

Sofá Orbital super confortável…


Um tipo de horta com temperos e suculentas… encravada na mesa!


Os pergolados e caramanchões sempre dão um tchan, de serenidade e conforto!


Pontinha simpática...


Linda fonte de bambú!


Muito estilo neste vaso lindo, contrastando comas maçãs verdes...
Em outro Post colocaremos mais fotos e considerações.




quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Dicas: Distribuição das Plantas no Jardim.




Para dar amplitude ao jardim, disponha as plantas em camadas de diferentes alturas.
As forrações mais baixas devem vir na frente, as intermediárias depois e por fim as mais altas atrás - como árvores, por exemplo. Assim é possível dar mais profundidade aos canteiros e visualizar todas as plantas.

Decks: Uma excelente opção em criação de ambientes ao ar livre.


Terrenos acidentados são propícios para a instalação de Decks. Eles aumentam a área plana do terreno e proporcionam uma visão privilegiada da paisagem, livre de interferência.
Essas estruturas ganharam tanto Status hoje em dia que são usadas inclusive em terrenos planos, para criação de ambientes ao ar livre, como salas de estar e jantar.



Feitos em madeira, os Decks também podem ser utilizados em jardins tropicais, orientais e clássicos, ao lado de piscinas, lagos, espelhos d'água ou na entrada da casa, uma vez que se adaptam em qualquer ambiente. Além disso, a temperatura amena e o conforto oferecidos pela madeira fazem do Deck o espaço ideal para u bom papo e, até quem sabe saborear uma boa comida ou bebida com o maior estilo!


Para suportar o sol, geralmente são feitos de madeiras resistentes, como o jatobá, ipê, maçaranduba e aroeira, e recebem a aplicação de uma camada de verniz náutico.